Canyon Guartelá: trilha e natureza no interior do Paraná

Canyon Guartelá: trilha e natureza no interior do Paraná

 

Em nossa viagem de motorhome para o Atacama, escolhemos passar e parar, na medida do possível,  sempre em  lugares em que fosse possível passear e conhecer coisas novas –  tanto atrativos naturais quanto culturais. Pois nosso objetivo era curtir o caminho e não somente dirigir loucamente para chegar ao destino final no Chile.

Uma de nossas escolhas foi chegar a Foz do Iguaçu passando por uma rota diferente no Paraná. Então, ao invés de pegarmos a Regis Bittencourt para Curitiba a partir de São Paulo, por exemplo, fomos pelo interior passando por estradas e cidades menores e menos conhecidas.  O que fez com que a gente descobrisse, na época de elaborar o roteiro,  o incrível Canyon Guartelá, a 62 km de Castro, que provavelmente  jamais conheceríamos se não fosse nessa viagem.

Foi nosso primeiro contato com a natureza em nossa aventura. Com paisagens de começar a nos tirar o fôlego.

E é excelente opção para família, pela estrutura oferecida.

image_5_33012145832_oLá no parque, nossa opção de passeio  foi pela TRILHA BÁSICA de 5km onde é possível aproveitar quase todos os atrativos oferecidos pelo parque (exceto pinturas rupestres, cavernas) com tranquilidade e sem exaustão para as crianças.

*A trilha completa (de 8km) é recomendada para crianças a partir de 8 anos e é realizada somente com o acompanhamento de guias.

 

Informações importante para famílias:

  • Na entrada do parque, há um café onde é possível comprar lanches para a trilha, água, protetor solar e repelentes.
  • A duração do passeio com crianças é de 4h (e não 2 como informado nos sites em geral sobre o parque e também pelos guias do local). Rafael (7 anos)  andou todo o trajeto num ritmo excelente e Joaquim (3 anos) andou também quase todo o percurso e foi carregado em alguns trechos em nosso carregador . Nós não fizemos paradas longas e nosso lanche foi rápido. Então… Achamos bastante improvável fazer o trajeto com crianças em menos tempo, ok?!
  • A trilha, apesar de super tranquila e segura, tem um grande trecho de paralelepípedos e é importante instruir as crianças pois os nossos pequenos acabaram caindo e ralando joelhos. O ideal é NÃO CORRER nesses trechos.
  • Uma coisa super legal é que tem um carro de apoio que dá uma ajudadinha (se necessária) no final da trilha (uma subidona) pra crianças com um dos acompanhantes, idosos, gestantes, deficientes e pessoas com problemas de saúde. A gente aproveitou já que as crianças estavam já bem cansadas. E a gente atrasado com o roteiro e o horário de saída da cidade. Foi bem legal também porque acabamos recebendo do motorista, um viajante que tinha acabado de ir ao Atacama de moto, dicas fantásticas que fizeram com que a gente mudasse o roteiro e conhecesse, então, Cafayate e a região maravilhosa dos Valles Calchaquies na Argentina.

Normalmente, optaríamos por subir a pé, carregando as crianças e com pausas para descanso quando fosse preciso. A subida é longa e íngreme, mas nós gostamos bastante deste tipo de desafio. Para vermos que somos realmente capazes. E para as crianças desenvolverem este sentimento de superação de obstáculos. Mas nesse dia realmente valeu muito a pena fazer essa escolha! Léo Motta

  • A entrada no parque é gratuita (somente se paga o acompanhamento do guia na trilha em que eles se fazem necessários)
    Durante todo o trajeto há funcionários disponíveis com rádios caso seja necessários algum apoio. E  recepção do parque é excelente e é bem bacana aproveitar para perguntar sobre todas as características e curiosidades do local.
  • É interessante chegar o mais cedo possível para começar a trilha… já que os animais silvestres  como (lobo-guará, tamanduá-bandeira e outros mais difíceis de encontrar) costumam dar as caras cedinho. E não deixe para ir muito tarde pois a entrada no parque  só é permitida até as 16:30h. Procure chegar no máximo  até 12h pois serão 4h de trilha em família.
  • Leve chapeú, protetor solar e bastante água (no mínimo um litro por pessoa) já que boa parte da trilha é feita debaixo do sol! Capa de chuva pode ser uma boa também.
  • Leve lanche e trajes de banho (por baixo da roupa) para aproveitar os panelões.image_5_33168931155_o
  • E vá com roupas e calçados adequados para trilha para evitar acidentes e incômodos durante a caminhada.

Passamos a noite no camping ao lado da entrada do Parque (informações no café logo na saída da estrada. PR 340, km 42.
*Este camping fica em uma clareira bonita, mas tinha uma estrutura bem simples e rudimentar. Como estávamos de motorhome não sentimos a falta de estrutura. Conseguimos tomada e torneira de água, mas o terreno era bem irregular o que dificultou bastante o estacionamento do veículo. Paramos em um morro de grama, então, a água do motorhome acabou vazando durante a noite. E foi meio difícil cozinhar com o carro inclinado. Tinha muito pernilongo a noite também.

É um passeio que vale muito, muito a pena. Onde todos podem desfrutar do contato com a natureza e aprender muito sobre biologia, geografia e história. Os meninos voltaram ao carro bastante falantes e energizados da caminhada e do banho nos panelões!

Recomendamos!

Veja AQUI todas as fotos do passeio!

Curta esse artigo:

Curta a página da Família Biruta!

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Você pode copiar e redistribuir este texto na rede. Porém, pedimos que o nome dos autores e o link para o post original sejam informados claramente. Disseminar informação na internet também significa informar a seus leitores quem a produziu.

Quem escreve |

Elba, Léo, Rafa e Joca Uma família tradicional, careta, dessas bem normais mesmo. Que decidiu embirutar por aí, ao menos um pouco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *