Roteiro de viagem: como e porque montar um

Roteiro de viagem: como e porque montar um

 

Uma coisa legal das viagens é que elas começam antes da partida. Todos os preparativos, todas as idealizações, enfim… ainda mais neste caso, com uma viagem longa (em tempo e distância) para um lugar novo num tipo de veículo ainda desconhecido.

Este post fala especificamente da definição do roteiro.

Mas antes de entrar mesmo no assunto, vamos esclarecer um ponto básico:

Por que fazer um roteiro mesmo? Esta não deveria ser uma viagem biruta?

Touché! Rs… pergunta capciosa, hein?!?!?

Sim, somos birutas, estamos sabaticando, mas o fato é que nesta viagem nossa casa-veículo será alugada. Isto nos impõe limites de dias e Km para a viagem.

Então, antes da jornada, é preciso avaliar se o projeto de viagem “para de pé”.

 

Tudo que pode ser medido pode (e deve) ser avaliado:

  • Duração: o total de horas de deslocamentos + programas + descanso cabe no período total?
  • Orçamento: A previsão total de gastos (preparação + deslocamentos + estadias + alimentação + programas + presentes + “outros”) cabe na grana disponível?
  • Distância: a distância total percorrida cabe no limite contratado (franquia de quilometragem) caso ele exista?

 

Depois que a viagem começa de fato, vem o acompanhamento. Sabemos que novas informações surgirão ao longo da viagem e que o tempo dedicado às etapas e até mesmo os lugares visitados podem mudar.

Porém, é importante fazer um acompanhamento entre a referência (roteiro preliminar) e o que está sendo realizado (viagem real) para sermos capazes de identificar desvios e corrigir quando necessário. Por exemplo, se acharmos uma região MUITO interessante e resolvermos passar 3 dias por lá ao invés do 1 dia planejado no roteiro preliminar, nós VAMOS fazer isso. Afinal temos e queremos ter essa flexibilidade. Mas é importante ter a consciência de que é necessário “recuperar” estes 2 outros dias até o final do roteiro ou não entregaremos a casa-veículo na data contratada (o que não é bom!).

O mesmo vale para o orçamento: para uma viagem de 1 mês, se comprometermos metade do orçamento disponível já na primeira semana, estaremos com sérios problemas para não fechar a viagem no vermelho.

 

Essa é a razão para fazer um roteiro. Uma boa razão!

 

Outro ponto é que o trabalho relacionado à confecção do roteiro preliminar nos dá uma boa noção das opções que teremos.  Isto se reflete em maior poder de decisão e autonomia ao longo do percurso.

Ok. Entendida a necessidade e a importância do roteiro preliminar.

 

O que fazer agora?

A primeira (e talvez principal) decisão é definir os principais preceitos da viagem. Regras gerais que devem ser sempre satisfeitas para que a viagem tenha a qualidade idealizada. Por exemplo, se eu pretendo conhecer as comunidades locais dos lugares visitados não posso restringir minhas visitas a atrações puramente turísticas. É incompatível!

Em seguida, definir quais são os principais destinos. Ou seja, vamos rodar a América do Sul por 28 dias. Mas quais são os lugares fundamentais que queremos conhecer? Aqueles que se não conhecermos, voltaremos tristes para casa…

dsc_5806-menorPor fim é preciso preencher os vazios. Pesquisar as regiões do percurso e identificar lugares interessantes a serem explorados, atividades imperdíveis a serem realizadas e pontos de parada que nos proporcionem o descanso necessário. Tudo fechando com os dois passos anteriores.

A internet é fonte quase infinita de informações deste tipo. Blogs de viagens, sites oficiais, fotos.  Muitas fotos. Para todos os destinos, bolsos e preferências de viagem.

No final do post, listamos os sites que encontramos e usamos como referências para criar nosso roteiro preliminar.

 

Aí você me diz: “É isso??? Mas é tão simples…!!!”

E eu te respondo:

“Verdade. Mas tem um poder! E dá um certo trabalho.”

Veja o que aconteceu no nosso caso…

 

Os preceitos que definimos foram:

  1. viajar trechos pequenos (os menores possíveis, considerando a extensão e o período da viagem)
  2. conhecer os lugares visitados e não apenas passar por checkpoints
  3. curtir a jornada e não apenas os destinos

 

Eles refletem a forma como gostamos de interagir com os lugares que conhecemos. E nos adequam a realidade de viajar com duas crianças a bordo (7 e 3 anos). Crianças são crianças. Não podemos nos esquecer disso.

Em relação a lugares, nosso foco principal é conhecer o Atacama. Queremos também conhecer o máximo possível do Chile, a região andina no norte da Argentina e as Cataratas… a partir daí o que vier é lucro.

Nosso primeiro roteiro preliminar era o seguinte:

Primeiro Roteiro preliminar

Primeiro Roteiro preliminar

Partir de São José dos Campos, descer para Curitiba, Florianópolis, Gramado (e conhecer a decoração de Natal!), Montevidéu, Buenos Aires, Mendoza, Santiago, Valparaiso, Atacama, Norte da Argentina, Foz do Iguaçu e de volta a São José dos Campos.

Show! Conhecer as três capitais, a Gramado de Natal, as Cataratas, pegar praia em Floripa e explorar o Atacama…

Acontece que esse roteiro foi criado antes de passarmos pelos pontos “simples” descritos acima. E foi só começar a aplicá-los para ficar evidente que estávamos buscando coisas demais pra tempo de menos. Fazendo este roteiro, teríamos que ser extremamente seletivos nos programas nas capitais. Teríamos que viajar maiores trechos por dia e, tendo ficado o Atacama para a segunda metade do percurso, a chance de termos que acelerar nossa estada por lá também seria grande. Nas cataratas então, nem se fale.

Ou seja, estaríamos violando quase tudo que definimos.

 

Mas, e aí? Tem solução?

Tem. Basicamente, desconstruir e reconstruir.

Invertemos o sentido da viagem. Retiramos o Uruguai e a região de Buenos Aires. Os litorais de SC e RS também dançaram. Adeus Gramado de Natal. Santiago ainda permanece. Sabemos que nosso tempo permitirá explorar uma parte bem reduzida de suas atrações, mas neste caso nos permitimos.

Roteiro Preliminar final

Roteiro Preliminar final

Em contrapartida, poderemos explorar com bastante calma o Atacama e a região Andina do norte da Argentina (foco principal de nossa viagem, lembra?) . Teremos tempo para conhecer os lados brasileiro e argentino das Cataratas. E vamos conhecer o litoral da região central do Chile. O que vai acontecer depois de Santiago é especulação. Reconhecidamente. Reavaliaremos ao longo da viagem.

 

Então, o “roteiro preliminar final” ficou:

São José dos Campos > Tibagi (PR) > Foz do Iguaçu > Puerto Iguazu > Ituzaingo > Saenz Penha > Joaquin V Gonzalez > Salta > San Salvador de Jujuy > Humahuaca > Susques > San Pedro de Atacama > Antofagasta > Caldera > Coquimbo > Valparaiso > Santiago > Mendoza > Cordoba > São José dos campos

 

De forma resumida, o que fizemos na montagem do roteiro foi:

  1. definir a forma que queremos viajar (como queremos nos sentir durante a viagem);
  2. definir os principais lugares que queremos conhecer/explorar;
  3. procurar lugares e coisas interessantes para conhecer perto de nossa rota e definir o roteiro.

 

Uma última observação importante é a de evitar um roteiro preliminar muito apertado. Reserve 1 ou 2 dias para acomodar imprevistos ou para incluir aquele programa incrível que apareceu do nada.

 

Ufa! O trabalho é grande, mas é um sentimento fantástico quando a viagem toma forma em nossa mente. Mais que isso… passamos a ter segurança que ela pode ser feita da forma idealizada, no tempo disponível, gastando o que temos.

Mas ainda é um plano… sigam o blog e acompanhem nossa jornada (e quanto ela vai ser diferente do planejado).

 

E você? Já esteve nestas regiões? Tem dicas pra enriquecer nossa viagem? Escreve ali nos comentários…

 

Lista de endereços consultados para roteiro:

http://argentinameatrapa.blogspot.com.br/2015/06/susques-jujuy-argentina.html

http://www.miinteressa.com/2016/02/viagem-de-carro-ao-chile-de-santiago-do.html

http://www.fozdoiguacudestinodomundo.com.br/atrativos/parque-das-aves

http://www.360meridianos.com/2014/10/onde-ficar-na-quebrada-humahuaca-argentina.html

http://www.360meridianos.com/2015/02/purmamarca-e-o-cerro-de-los-siete-colores.html

http://www.umviajante.com.br/chile/163-tour-astronomico-em-san-pedro-de-atacama

http://www.umviajante.com.br/chile/156-atacama-escolhendo-sua-agencia-em-san-pedro

http://viagensaamericadosul.blogspot.com.br/2013/03/salta-tilcara-iruya-e-purmamarca-norte.html

http://viajeirosdoatacama.blogspot.com.br/p/pagina-inicial.html?m=1

http://queimandoasfalto.com.br/resumao-viagem-carro-de-sp-ao-chile-uac/

http://atacama-de-carro-facil.blogspot.com.br/?m=1

http://www.dicaschile.com.br/2016/05/viagem-de-trailer-no-chile.html?m=1

http://www.buenasdicas.com/praias-chile-293/

http://www.daytrippers.com.br/litoral-norte-punta-choro-la-virgen-pan-de-azucar-bahia-inglesa

Curta esse artigo:

Curta a página da Família Biruta!

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Você pode copiar e redistribuir este texto na rede. Porém, pedimos que o nome dos autores e o link para o post original sejam informados claramente. Disseminar informação na internet também significa informar a seus leitores quem a produziu.

Quem escreve |

Redescobrindo o futuro. Curtindo a família em tempo integral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *